domingo, 16 de outubro de 2011

A tragédia no restaurante Filé Carioca

Na última quinta-feira, dia 13 de outubro, uma explosão destruiu o restaurante Filé Carioca, na Praça Tiradentes. Eu costumava frequentá-lo esporadicamente e tinha dado uma avaliação muito positiva do restaurante no meu guia "Comer no Centro". Foi o único restaurante cujo dono se manifestou respondendo a minha avaliação e efetivamente promovendo mudanças a fim de aumentar a qualidade do estabelecimento.

Por esse motivo, gravamos no interior do Filé Carioca no dia 6 de outubro, exatamente uma semana antes da tragédia, um programa para circular na televisão interna do meu trabalho sobre o guia. Conheci o dono, o Rogério, que me explicou as mudanças que foram feitas, principalmente no sistema de exaustão, pois a umidade deixava o subsolo com cheiro de mofo.

Essa informação estava como comentário do dono no meu guia, já que em minha avaliação eu chamava a atenção para o odor incômodo. Com o problema resolvido, retirei este trecho, mas não o comentário que informava da resolução do problema. Eis que, após a tragédia, um debate surgiu na área de comentários da avaliação e um jornalista com o péssimo hábito de não checar as informações escreveu uma matéria para a Veja online utilizando esses comentários como fonte. Resultado: confundiu o problema do cheiro de mofo do subsolo com um possível problema de exaustão da cozinha do restaurante, levando o leitor a uma falsa conclusão.

Não sabemos até que ponto Rogério, o dono do restaurante, teve responsabilidade sobre o ocorrido. O fato é que houve inspeções no local e o estabelecimento nunca foi interditado ou multado por estocar gás em bujões. É claro que, quando se fala em gás, é notória a necessidade de se manter o local aberto e arejado para caso de vazamento. Houve negligência? Talvez. Ignorância? Com certeza. Mas culpar abertamente Rogério, às vezes com adjetivos mais do que pejorativos, como fizeram nos comentários (alguns apagados por mim para poupar as pessoas ligadas ao evento), é, no mínimo, imprudente. Deixemos as autoridades fazerem seu papel e descobrirem exatamente o que aconteceu. Ouçamos o que o Rogério tem a dizer sobre isso tudo. Antes disso, somente podemos prestar solidariedade a ele e às vítimas desta tragédia.

6 comentários:

  1. Concordo com você Flávio...um abraço querido!

    ResponderExcluir
  2. E INACREDITAVEL,SO QUEM PERDEU ALGUEM POR CAUSA DESTA TRAGEDIA SABE COMO ESTAMOS PASSANDO.FOI IRRESPONSABILIDADE,ELE DEVERIA TER INSPECIONADO JA QUE VARIOS FUNCIONARIOS JA TINHAM DITO QUE SAIRAM DO ESTABELECIMENTO NA TERCA FEIRA COM VAZAMENTO DE GAS.E AINDA TER UM FUNCIONARIO POR UM ANO E DOIS MESES SEM CARTEIRA ASSINADA.....ISSO E DEMAIS E LAMENTAVEL

    ResponderExcluir
  3. ROGERIO PENSE NA SEGURANCA DE SEUS FUNCIONARIOS E CLIENTES POIS VOCE AINDA TEM UM RESTAURANTE ABERTO,SABE LA EM QUE CONDICOES..........CUIDADO O PERIGO TE RONDA......

    ResponderExcluir
  4. ROGERIO O PIOR ESTA POR VIR!

    ResponderExcluir
  5. QUE ABSURDO UMA MANGUEIRA DE GAS COLADA POR FITA ISOLANTE,ISSO E O CUMULO, DO ABSURDO.ACIDENTES ACONTECEM,MAS ESTE ESTAVA PREVISTO.QUEM PROCURA ACHA.

    ResponderExcluir
  6. Concordo que seja um absurdo, tanto o fato de o funcionário não ter carteira assinada como o remendo, caso a perícia confirme. O que eu tenho mais dificuldade de entender é por que os funcionários voltaram para o restaurante quando o cheiro de gás estava tão forte. Vamos deixar as autoridades fazerem seu papel e torcer para que a fiscalização seja mais rigorosa daqui para frente.

    ResponderExcluir